Exposição “Adriana Varejão – por uma retórica canibal” chega no Mamam

Amanhã, dia 28 de junho, um dos nomes mais respeitados das artes visuais do Brasil, Adriana Varejão, terá sua primeira individual em Recife no Mamam. A mostra “Adriana Varejão – Por uma retórica canibal”, que tem curadoria de Luisa Duarte, faz parte de um projeto que pretende descentralizar o acesso à importante produção da artista carioca, exibindo 25 obras dos seus mais de 30 anos de trajetória, realizadas entre 1992 e 2018.

O recorte curatorial da exposição descortina diferentes fases de produção da artista, uma pesquisa cuja inflexão está centrada numa revisão histórica do colonialismo. Através de seu trabalho, Adriana Varejão coloca o público em contato com uma contracatequese,  expondo o passado para trazer à luz histórias ocultas, pouco visitadas pela história oficial. Assim, saem de cena o ouro e os anjos – tão presentes em igrejas barrocas no Recife e em Salvador – e entram em cena a carne, toda uma cultura marcada por uma miscigenação por vezes violenta e a busca dos saberes locais, como o legado da antropofagia.

 

Horários de visitação:

Terça a sexta: 12h-18h

Sábados e domingos: 13h-17h

*A mostra ficará aberta até o dia 8 de setembro.

Programação de Cursos e Oficinas 2019

Curso Sobre um sentir insurgente, com Ana Lira

Inscrições pelo SYMPLA e links para concorrer as bolsas: https://www.sympla.com.br/sobre-um-sentir-insurgente__489304

22 a 26 de abril – 18h30 às 21h30  – Jovens e adultos a partir de 15 anos.

Existe conexões para além de um sentir insurgente? Este workshop facilitado por Ana Lira, tem o objetivo de mobilizar discussões e produções de materiais, discursivas e simbólicas acerca das ações coletivas e insurgentes que estamos vivenciando no Brasil atualmente. A formação vai reunir em cinco dias atividades de estudos/discussão/experimentação e um ateliê aberto para produção de materiais. O desejo é elaborar uma série de dispositivos de ativação coletiva, com o intuito de promover reflexões, matérias e publicações que ajudem a construir ações artísticas que podem ser ativas para além do workshop.

OBS: O curso precisa atingir o número mínimo de inscritos para acontecer.

CONTEÚDO: 

Encontro I

Estamos realmente juntos?

O primeiro encontro tem o intuito de trabalhar as conexões, sutilezas e diferenças entre os movimentos e as movimentações da sociedade civil organizada por transformações sociais e garantia de direitos, bem como pensar quais as relações possíveis e quais as diferenças destas novas insurgências o histórico tradicional de mobilizações no país.

Encontro II

O que dizem de nós estas bandeiras?

O segundo encontro propõe uma reflexão sobre a materialidade das ações e movimentos cotidianas. Como transformamos desejos em elementos visíveis, que passam a falar junto conosco no espaço público e no imaginário coletivo?

Encontro III

Como insurgência se conecta com o sensível?

O terceiro encontro convida os participantes a dialogar sobre as interseções do insurgente com o sentir e a construir traçados sobre outros caminhos de se atuar no discurso simbólico.

Encontros IV e V

Estes dois encontros serão ateliês de produção coletiva bem como espaço para produzir ações a serem realizadas no Rio de Janeiro pelo grupo na semana final da residência.

 

Curso Estratégias de Curadoria em tempos de Catástrofes, com Wagner Nardy

Inscrições pelo SYMPLA e links para concorrer as bolsas: https://www.sympla.com.br/estrategias-de-curadoria-em-tempos-de-catastrofes__501586

27 E 28 de abril

Público-alvo: Profissionais e liberais da área de Belas Artes, artistas, interessados, colecionadores, colaboradores e comunidade em geral – acima de 15 anos.

O curso Estratégias de Curadoria em tempos de catástrofe  pretende abordar a origem, o posicionamento atual e o engajamento do oficio curatorial no campo das Artes Plásticas como instrumento de transformação, inclusão e sedimentação cultural. Ainda pretende abordar temas inovadores apresentando ao público personagens e eventos imprescindíveis enquanto discute o papel da Curadoria em tempos de instabilidade e transformação.

-INFORMAÇÕES:

O curso disponibilizará 2 tipos de bolsa, Social e de Autodeclaração, que terão inscrições até o dia 22/04 via formulário, sendo posteriormente liberadas mediante análise do ministrante.

OBS: O curso será viabilizado caso atinja o número mínimo de inscritos.

SERVIÇO:

Quando? 27 e 28 de abril.

Horário: 27 de abril – 10h às 18h. 28 de abril – 10h às 13h

Conteúdo programático:

1.

Introdução;

Origem;

A questão Curatorial;

Breve Historia da Curadoria.

2.

Walter Hopps;

Harald Szeemann;

Frederico Morais;

Projetos Curatoriais;

A questão das fronteiras (artista/instituição/poder publico/curador/comunidade).

3.

Curadoria na Contemporaneidade;

Curadoria como instrumento de promoção cultural e inclusão social;

Complexidades na relação Curador/Artista;

A posição crítica na questão da formação de público.

4.

Discussão do modelo curatorial na atualidade;

Curadoria x Curadoria Institucional x Curadoria Política;

Os Curadores (exercício do “mainstreaming”);

O discurso curatorial ou estratégias de curadoria em tempos de catástrofes.

5.

Final – Visita discursiva a uma exposição curada com comentários e participação da turma.

 

Oficina: Vivência Curumim

Sob a perspectiva da criança como agente ativo na aprendizagem, capaz de entender e conviver harmoniosamente com diferenças e diversidades existentes na nossa sociedade, a oficina ministrada por Ziel Mendes, que surgiu da parceria entre o MAMAM e o Festival Arte na Usina, tem como objetivo principal promover uma experiência artística em harmonia direta com o espaço ocupado, com o imaginário, com os saberes das crianças e culturas indígenas no Brasil, dando ênfase aos povos do Nordeste. A partir de uma abordagem lúdica e Inter étnica as crianças irão ampliar seus conhecimentos sobre as vivências, contos e cantos, rituais e expressões que cercam os povos indígenas, em especial o grupo étnico Karapotó. A programação acontece no dia 4 de maio para adultos e crianças a partir de 5 anos e tem entrada gratuita ao público mediante inscrição.

Inscrições: 01 adulto + 01 criança através do educmamam@gmail.com

 

Oficina Bordado Botânico

Inscrições e links para concorrer as bolsas pelo SYMPLA:
https://www.sympla.com.br/oficina-de-bordado-botanico__501677

Na oficina Bordado Botânico, os participantes experimentarão o bordado livre inspirando-se nas tramas e formas das folhas presentes, buscando a ativação dos sentidos corporais, iniciando com a percepção visual. A atividade idealizada pelo Plante Uma e Cobertor de Linha incorpora no desenho/rascunho as formas reais e imagéticas na reprodução das plantas em seus bastidores. Os participantes experimentarão com seus materiais de apoio os pontos iniciais em preenchimento e contorno do bordado, podendo abstrair para além da proposta de releitura.

Oficina de Bordado Botânico com Leandro Roberto

11 de Maio – 09:00 ás 13:00

Público-alvo: adultos e jovens à partir dos 15 anos.

OBS: O curso precisa atingir o número mínimo de participantes para acontecer

Sobre o curso:

O curso apresentará o bordado de forma simples, reproduzindo folhas e plantas com seus preenchimentos, contornos e tons, possibilitando assim o trabalhar do bordado não só com as linhas, mas com as formas presentes incorporadas ao produto final.

Sobre o Ministrante:

Bacharel em Artes Visuais, formado pela Faculdades Integradas Aeso Barros Melo. Arte-educador, ilustrador, performer, fotógrafo, experimentador das artes têxteis.

 

Mediação Cultural e processos contemporâneos artísticos, com Mariana Ratts

08 a 10 de maio – 14h às 18h

Para formentar o debate sobre mediação cultural, sobretudo em espaços expositivos de artes visuais, em três dias de encontro a oficina de Mediação cultural e processos contemporâneos artísticos, irá realizar fundamentações acerca de tais questões com os participantes, pretendendo também desencadear o diálogo sobre o trabalho do educador e suas práticas, debatendo sobre processos artísticos, educativos e curatoriais e indo à fundo também sobre o ensino de artes visuais nos museus e exposições, apresentando conceitos como: experiência, colaboração e participação. Para fechar com chave de inspiração, será realizado laboratório de meditação para completar todo o ciclo de entendimento sobre Mediação cultural e processos contemporâneos artísticos .

Público-alvo: Interessados/as em artes, patrimônio e cultura, estudantes de artes, educadores de museus, gelerias e centros culturais, professores de a e demais agentes envolvidos na cadeira produtiva de Artes Visuais

Link para compra de ingressos e para preenchimento das bolsas – disponíveis até 02 de maio:

https://www.sympla.com.br/oficina-de-mediacao-cultural-e-processos-contemporaneos-artisticos__501659

 

 

Curso ILUMINAÇÃO CÊNICA PARA MULHERES – Empoderamento dos termos técnicos na prática artística, com Natalie  Revorêdo.

27 a 31 de maio, 15h às 18h.

Público-alvo: Mulheres, a partir dos 18 anos.

A oficina, ministrada por Natalie Revorêdo, propõe lucidar, unir e fortalecer as mulheres no universo técnico dos trabalhos artísticos – espetáculos, shows e afins. Permitindo e abrindo caminhos para que as mulheres possam transitar com mais confiança pelos termos técnicos em uma produção. Construindo leques de possibilidades e facilitando o fazer artístico, onde a comunicação entre os/as artistas – equipe técnica e a técnica entre si, seja mais direta e fluida. O mercado artístico necessita de mulheres (Cis, trans, diversas) com autonomia para debater com a técnica de cada espaço que possa encontrar, mulheres com entendimento para expor e agir de maneira prudente e explícita suas ideias, onde reverberam segurança nos seus fazeres e consigam assumir responsabilidades artísticas que sejam somadas com o saber dos aparatos técnicos e estéticos da luz. Pois a intenção é facilitar acessos e tornar o processo de criação algo mais coletivo, dialogável. Pontuo com exatidão que a ideia central da oficina é facilitar a comunicação entre as artistas e a técnica, entendendo-se que a interseção disso é a arte. E porque não desabrochar alguma para a profissão artística da luz, local de todos e todas. A oficina oferece três tipos de bolsas – de Autodeclaração, Bolsa Social e Bolsa para mulheres trans, que terão inscrições abertas até 20 de maio via formulário do Google, sendo posteriormente liberadas mediante análise da ministrante.

Natalie Revorêdo é pesquisadora e curiosa sobre o universo do corpo, do movimento e da iluminação, se desenvolve buscando sempre o corpo e o movimento como mote para as criações de luz e vice versa. É iluminadora cênica, graduada em dança pela Universidade Federal de Pernambuco, faz parte do Farol – Atêlie de luz, foi indicada e premiada em festivais locais e integra a equipe do Sonora Olinda desde 2017.

Serviço:

27 a 31 de maio – 15h às 18h

Link para compra de ingressos e para acesso as bolsas:

https://www.sympla.com.br/oficina-de-iluminacao-cenica-para-mulheres-empoderamento-dos-termos-tecnicos-na-pratica-artistica__503635

 

SEMANA DOS MUSEUS 2019

Dia 14.05 – 14h:

Encontro de saberes medicinais populares ou troca de saberes sobre medicina ancestral

Encontro para troca de saberes medicinais ancestrais,  onde serão apresentadas ervas, cascas e raízes de uso na medicina popular, com fundamento em conhecimentos ancestrais, principalmente indígenas e africanos, priorizando as medicinas que são utilizadas popularmente no nordeste. Durante a apresentação, conversaremos sobre os locais de origem das plantas, suas características e formas de uso; além de abordar temas relacionados como ginecologia natural e parteria, num momento voltado para mulheres.

GRATUITO E ABERTO AO PÚBLICO

Dia 22.05 – 15h:

Apresentações de performances que discutem sobre identidade indígena com o Educativo MAMAM + bate-papo

GRATUITO E ABERTO AO PÚBLICO

Dia 16.05 – 14h:

Oficina de Boneca Abaiomi feituras e releituras. Roda de conversa afetiva e narrativas de resistência da mulher negra, com Cris Nascimento.

Símbolo de resistência, as bonecas conhecidas como Abayomi, cujo significado é ‘Encontro precioso’, em Iorubá, uma das maiores etnias do continente africano cuja população habita parte da Nigéria, Benin, Togo e Costa do Marfim. Evidenciaremos memória e identidade popular do povo brasileiro, valorizando a diversidade cultural que reinam em terras brasileiras ; promoveremos a oficina tanto para ensinar o processo de criação quanto para discutir a importância histórica e social entorno das bonecas.

Público-alvo: A partir dos 15 anos

Inscrições gratuitas: educmamam@gmail.com

Dia 17.05 – 14h:

Oficina Corpo Pernambucano

Corpo pernambucano busca explorar os movimentos corporais adentrando na pintura, na história e na dança, vivenciando os ritmos pernambucanos, construindo uma interação entre a dança e a produção plástica.

Público-alvo: A partir dos 15 anos

Inscrições gratuitas: educmamam@gmail.com

Dia 18.05 –  a partir das 13h:

  • Roda de capoeira – 13h (GRATUITO E ABERTO AO PÚBLICO)
  • Oficina de Turbantes – 14h

Turbante-se: amarrações de turbantes e estamparia artesanal.

Com o intuito de disseminar um pouco da cultura e arte afro-brasileira, a oficina pretende debater acerca de nossa ancestralidade e estimular a criatividade através de turbantes estampados por você.

Público-alvo: Mulheres negras de 15 a 30 anos.

Inscrições gratuitas: educmamam@gmail.com

  • Cine debate com a exibição de Baile Perfumado + bate-papo – 16h (GRATUITO E ABERTO AO PÚBLICO)

 

Oficina de Cultivo de plantas em vasos, com Ítalo Vidal
15 de junho, 9h às 12h30.
Link para compra de ingressos e acesso as bolsas:

https://www.sympla.com.br/oficina-de-cultivo-de-plantas-em-vasos__535288

Público-alvo: Interessados em jardinagem; Adolescentes; Jovens; Adultos; idosos; Pessoas a partir dos 15 anos.

A Oficina de Cultivo de Plantas em vasos irá capacitar aqueles que desejam trazer o verde para dentro de casa apresentado a dinâmica de cultivar plantas em vaso.
Durante a atividade serão apresentados os diferentes tipos de substrato, vasos, técnica para produzir mudas e adubar as plantas, principais pragas e doenças, as variações de luminosidade e de rega, por meio de atividade prática. Cada participante irá realizar o plantio de uma planta em um vaso percebendo as etapas do processo de plantio e manutenção das plantas.

 

Tecnologias de gênero: mulheres em performance, com Flavia Pinheiro

08 a 12 de julho, 14h às 18h.

Link para compra de ingressos e acesso as bolsas:

https://www.sympla.com.br/tecnologias-de-genero-mulheres-em-performance__535330

Público-alvo: Qualquer pessoa + 16 anos.

O curso propõe revisar algumas criações  de mulheres feministas na arte da América Latina e um conjunto de trabalhos que introduzem formulações radicais. O curso será baseado na análise de casos específicos, na reconstrução de momentos históricos e na análise intensiva de um conjunto de obras, principalmente de mulheres artistas, mas não exclusivamente. Qual é a relevância das criações contemporâneas que performam o feminino? As performatividades de gênero e o discurso /ação em relação com a criação de contextos realidades/ ficções de um corpo político: Mulheres e agora? O que ficou da performance?

 

Palavratório – O que há nos discursos por trás dos discursos, com Ana Luisa Lima

DATAS: 08, 15, 22 e 29 de agosto. 05, 12, 19 e 26 de setembro
Horário: 19H15 ÀS 22H15
Público-alvo: Recomendado para público maiores 18 anos, estudantes universitários, pesquisadores de artes e áreas afins, artistas etc.
A partir da leitura de textos historicamente importantes, o curso Palavratório se propõe a discutir o processo de construção das narrativas da arte contemporânea no Brasil. Nele os participantes serão estimulados a pensar seus próprios trabalhos e (re)encontrar referências, buscando entender quais são os diálogos possíveis a partir de suas produções. Para tanto será realizado um encontro por semana durante os meses de agosto e setembro, ministrados pela crítica de arte, escritora e pesquisadora independente, Ana Luisa Lima.

O curso se desenvolve em dois atos:

1. Compartilhamento: tem a intenção de introduzir alguns textos historicamente importantes, do campo das artes visuais, filosofia, ciência política, como: “O que é política?” (Hannah Arendt), “As formas africanas de auto-inscrição” (Achille Mbembe), “A partilha do sensível” (Jacques Rancière), “Pode o subalterno falar?” Gayatri C. Spivak, “Anos 60: da arte em função do coletivo à arte de galeria” (Aracy Amaral), “Arte neoconcreta uma contribuição brasileira” (Ferreira Gullar), “Cartas” (Lygia Clark e Hélio Oiticica) e “Manifesto da Natureza Integral” (Pierre Restany). Outros textos mais recentes de autoras como Lisette Lagnado, Daniela Castro, Lígia Nobre, também serão visitados. A partir dessas leituras serão discutidos alguns aspectos da arte contemporânea no Brasil, como se constroem os discursos, e quais são as possibilidades de leituras de algumas narrativas dentro deste repertório.

2. Interlocução: estimulados pelas leituras, as/os participantes serão convidados a pensarem seus próprios trabalhos (sejam esses artísticos e/ou teóricos), (re)encontrar suas referências e propor diálogos possíveis a partir de um ou mais conceitos compartilhados.

Inscrições e acesso aos links das bolsas – Bolsa Social; Autodeclaração:

 

No princípio era o verbo, com Priscilla Buhr.

Quando? 10, 17, 24 e 31 de agosto – 10h às 13h

Público-alvo: Fotógrafas(os) profissionais, amadores, estudantes de fotografia e interessados que tenham formação técnica básica na área de fotografia e que tenham algum projeto fotográfico, seja ainda como uma ideia, seja em andamento ou finalizado.

O Curso:

Quais as palavras que a sua fotografia inspira? Que histórias elas te contam? Em que lugar do seu trabalho as suas ideias repousam? O seu discurso caminha ao lado da poesia presente nas suas imagem? A oficina “No princípio era o verbo” é um convite para redescobrir formas de pensar e sentir o conceito por trás de um trabalho fotográfico. É destinada à fotógrafas e fotógrafos que estejam envolvidos com algum projeto criativo em andamento, mas não exclui quem ainda tem apenas uma ideia ou simplesmente a vontade de desenvolver um projeto um dia. Teremos 4 encontros : “A sombra do que eu era”, “Receita: 100ml de palavras para diluir 100g de fotografias”, “O ego, a decepção, o desapego e o encontro”, “Um problema chamado título”. Nesses momentos iremos, juntos, trilhar um percurso de escuta e percepção, instigando perguntas fundamentais para a criação de um projeto fotográfico em que o conceito e a obra tenham forças equivalentes. Iremos trabalhar a ideia de palavras fotográficas com atividades que buscam o maior entendimento de si e da arte. “No princípio era o verbo” é um curso de imersão, que pede um mergulho profundo na produção artística de cada participante, mas principalmente, pede inteireza! Se cada um chegar aberto e disposto a se entregar a experiência, teremos um encontro bastante produtivo.

1° encontro: a sombra do que eu era – trabalharemos dinâmicas que estimulam o auto-conhecimento e percepção como ponto de partida para entendimento do trabalho artístico que se desenvolve;

2° encontro: Receita: 100ml de palavras para diluir 100g de fotografias – Trabalharemos dinâmicas que buscam revelar as perguntas fundamentais que cada um traz em si ao longo de sua trajetória. E dinâmicas que estimulam a criação de um projeto fotográfico em que o conceito e a obra tenham forças equivalentes.

3° encontro: o ego, a decepção, o desapego e o encontro – Trabalharemos dinâmicas em que a edição vai além da seleção de imagens, e aparece como um grande responsável pela coerência do discurso, potencializando forças e minimizando problemas.

4° encontro: um problema chamado título – Trabalharemos a palavra como obra conjunta, buscando alternativas para titulação que, não só saiam dos lugares comuns, como também ofereçam possibilidades de leituras e interpretações diversas.

Priscilla Buhr:

Recifense, jornalista, desde 2007 trabalha com fotografia e vem pesquisando e realizando projetos relacionados à narrativas visuais motivadas pela compreensão e reconstrução do passado e trajetos emocionais. Ganhadora do Prêmio Brasil de Fotografia 2013 na categoria Revelação, integra o Clube de Colecionadores de Fotografia do MAMAM 2016. Durante cerca de um ano foi fotógrafa da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco, foi repórter fotográfica do Jornal do Commercio por três anos, Gerente do Setor de Fotografia da Fundação de Cultura da Cidade do Recife por dois anos e foi uma das fundadoras do coletivo 7Fotografia, desenvolvendo durante 5 anos diversas atividades de produção, pesquisa e debate na área de fotografia, na condição de co-autora, editora e fotógrafa.

O curso oferece dois tipos de bolsas via formulário, abertos até dia 31 de julho de 2019. Após o período de análise, os selecionados recebem informativo por e-mail. Para comprar ingressos e acessar às bolsas:

https://www.sympla.com.br/no-principio-era-o-verbo__563090

AntenaParaurora + Sarau das Lobas

IMG-20190321-WA0047

Lobas são consideradas seres místicos em culturas diversas, nos quais buscavam reconhecer a dialética da natureza, o humano e sua duplicidade -feminino e masculino- sua importância. Ondas de rádio tentaram conectar os seres humanos. Quando a tecnologia não é tão efetiva, como se propõe a ser, deve-se retornar ao que há de mais precioso: nossa ancestralidade.

É possível conectar o natural ao tecnológico?
É possível voar sem perder as raízes?

Com a intenção de responder essas perguntas, o evento Antena Paraurora +
Sarau das Lobas, que será realizado nos dias 29 de Março e 6 de Abril, organiza
uma programação de protagonismo feminino, com roda de diálogo, apresentações artísticas e musicais, sarau de poesia e bazar, a fim de debater e refletir sobre as nossas construções sociais e de gênero, visibilizando as produções artísticas das
mulheres da região metropolitana de Recife.
Convidamos todas e todos à ocuparem o espaço do MAMAM para a edição
especial, que une, o Antena Paraurora e o Sarau das Lobas em um único evento,
para que através da arte possamos nos conectar à nossa ancestralidade.

Evento gratuito e aberto a todas e todos. Em breve mais informações.

 

29/03 – 17h
Roda de diálogos: A mulher, a cultura e a urbanidade.
06/04 – 14h
• Feirinha
• Sarau de Poesia
• Apresentações artisticas e musicais

Vivência Malunga

IMG_20190213_174741_250

O curso Vivência Malunga tem como princípio compartilhar com os participantes a conexão que estes moveres possuem com o Recife, com a ancestralidade de matriz africana, além de trazer à tona a pedagogia do Centro Cultural Daruê Malungo, da Mestra Vilma Carijós, do Mestre Meia Noite e da própria pesquisa de Orun como artista da dança, vindo de um terreiro cultural urbano com 30 anos de existência.
O curso disponibilizará 2 tipos de bolsa, Social e de Autodeclaração Racial, que terão inscrições até o dia 28/02 via formulário, sendo posteriormente liberadas mediante análise do ministrante. Os ingressos podem ser adquiridos através do Sympla. Aguardamos todas e todos.

Link de inscrição:

https://www.sympla.com.br/vivencia-malunga—corpo-movimento-e-ancestralidade__458445
Bolsa social

https://goo.gl/forms/TYjxzezyZkqnuH0A2
Autodeclaração para candidatos indígenas e negro(as)

https://goo.gl/forms/dnOA3E4sBgdA8aOp2
Maiores informações: educmamam@gmail.com

Curso de Elaboração de Projetos

2018 chegando ao fim e tod@s pensando nas metas para 2019. Então anota aí: estão abertas as inscrições pra o curso de elaboração de projetos culturais. E os editais de fomento à cultura já estão abertos para você colocar aquela a sua ideia em prática. Segue a dica de @robertab.guimaraes22 (https://www.youtube.com/watch?v=7K9R_bLeQRM&feature=youtu.be) e se inscreve no curso do professor André Aquino, que será realizado em Janeiro, no Mamam.

Inscrições através do sympla: https://www.sympla.com.br/3-laboratorio-de-projetos-culturais-funcultura-geral__417056LabProj MAMAM 2019

 

Exposições

Já foram abertas as exposições individuais e simultâneas das artistas Alice Vinagre e Carol Monteiro, no Mamam.  Não deixem de ver! Juntas, essas Mostras inaugurarão um 2019 no Mamam que vai em busca de uma maior equidade entre as produções artísticas expostas.

Com Olhos de Náufrago ou onde fica o próximo Porto –  exposição da artista paraibana, radicada em Pernambuco, Alice Vinagre. A Mostra está ocupando os três andares do Museu, com obras da década 80 até produções inéditas. A curadoria é de Julya Vasconcelos.

Coração de Pedra  – A mostra reúne um conjunto de obras, da designer e figurinista pernambucana Carol Monteiro, que são o resultado de quatro anos de pesquisa, revelando uma rica zona de intersecção entre arte e moda em uma produção fortemente inspirada na paisagem dos sertões nordestinos.

Serviço

Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães – Mamam                                                              Rua da Aurora, 265, Boa Vista, Recife-PE                                                                                    terça a sexta – das 12h às 18h                                                                                                            sáb e dom – das 13h às 17h                                                                                                                  Com Olhos de Náufrago ou onde fica o próximo porto – aberta até dia 24/02/19                      Coração de Pedra – aberta até 15/01/19

 

 

 

Curso de Elaboração de Projetos

LabProj  MAMAM 2019.jpg

Estão abertas as inscrições para o Curso de Elaboração de Projetos Culturais (Funcultura Geral) com o professor André Aquino.

ATENÇÃO! 20% das vagas serão destinadas para bolsistas, priorizando o interesse, a atuação cultural, e a diversidade étnica d@s candidat@s (autodeclarados negros ou indígenas). Para concorrer as bolsas, basta inscrever-se até o dia 26/12/2018 no endereço < https://bit.ly/2Gj7Tzc>

Local do curso: Mamam

Período: 15 a 18 de janeiro de 2019
Investimento: R$170,00 Inscrições para bolsistas: até dia 26/12
Inscrições através do sympla: https://www.sympla.com.br/3-laboratorio-de-projetos-culturais-funcultura-geral__417056