NOTA DE REPÚDIO

NOTA DE REPÚDIO

O Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (MAMAM) em resposta a um ato de injúria racial ocorrido em suas dependências no dia 19 de janeiro de 2017, sofrido por uma de nossas visitantes – Lilian Araujo – praticado por outro visitante ainda não identificado, vem a público repudiar veementemente qualquer ato de preconceito seja ele racial, de gênero, gordofóbico, classe, religião ou qualquer outro tipo de violência física ou verbal.

O racismo é crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão conforme a Lei nº 7.716/89, e deve ser firmemente combatido, declarações que incitam o ódio racial não podem e não serão toleradas em nosso espaço.

O MAMAM se solidariza com Lilian, pessoalmente, e com todos que têm sofrido algum tipo de constrangimento e discriminação, e reafirma o compromisso com a promoção da igualdade étnico-racial, bem como com todos os grupos sociais historicamente discriminados em nosso país.

Reafirmamos que em nosso Plano Diretor temos como valores do Museu, entre outras coisas:

  1. “Ser um Museu democrático, estar aberto não só a um público especializado, mas também a todos que aqui chegam.
  2. Ampliar o público atual, garantindo inserção de uma camada maior da sociedade.
  3. Ter em sua equipe e em seu leque de visitantes, representantes de todos os grupos sociais.
  4. Ser uma referência na escuta dos anseios da sociedade, no quesito cultura, artes visuais e seus desdobramentos.”

No momento do ocorrido, nossa equipe acolheu Lilian e ouviu seu relato, assumindo o compromisso de trazermos a público nosso repúdio e promovermos – como espaço de arte e de educação promotor de reflexões diversas – ações de reflexão sobre o racismo e toda e qualquer forma de discriminação, abrindo espaço para que se prevaleça o lugar de discussões democráticas e respeitosas, de modo que possamos dizimar qualquer resquício desse crime entre nós.

Caso haja uma formalização da denúncia, por parte da vítima, o MAMAM se coloca à inteira disposição da justiça para quaisquer esclarecimentos que se façam necessários, e que de alguma forma possam identificar o agressor.

Anúncios

Colônia de férias do Projeto Arte Para Todos

No mês de janeiro o MAMAM, em parceira com o Instituto de Assistência Social e Cidadania do Recife -IASC, proporcionou uma colônia de férias específica para os usuários do IASC, cumprindo assim mais uma etapa do Projeto Arte Para Todos.

Ao todo, em torno de 110 pessoas, entre crianças, adolescentes e adultos assistidos pelo Instituto e servidores do IASC, participaram das atividades.  Na programação da colônia foram realizadas oficinas de pipa, carimbo e vai e vem. Sessões de cinema, contação de história e momentos de relaxamento também fizeram parte da programação. As atividades foram desenvolvidas pelos educadores do MAMAM Karla Aparecida, Maria do Carmo Guerra, Thayse Limeira, Jaqueline Cavalcante, Daniel, Juliane Xavier, Roberto Eiras e Uana Mahin. A colônia de férias do Projeto Arte Para Todos foi coordenada pela educadora social do IASC Rebeka Monita que contou com o apoio dos servidores do IASC e do MAMAM.

Na contação de história muitas crianças e adolescentes do IASC tiveram seu primeiro contato com o romance “O pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry. A poesia de Ricardo Sivestrin também fez parte da programação. As crianças pensaram sobre o próprio modo de viver, curtindo uma viagem imaginária através do livro “Pequenas observações sobre a vida em outros planetas”.  Além disso, os educadores do MAMAM que realizaram a contação e o relaxamento tiveram a oportunidade de conhecer as unidades de fixação do IASC (Espaço Travessia/Bairro do Recife, Recanto Feliz e o Centro de Integração da Criança e do Adolescente – CICA), apropriando-se mais do universo do público participante do projeto.

 Durante as férias, o Projeto Arte Para Todos também recebeu no MAMAM os usuários das casas de acolhida Acalanto e O Recomeço. Essas unidades fazem parte da Rede de Proteção Social Especial de Alta Complexidade do IASC e representaram o início de uma nova etapa de ampliação do Projeto, que visa atender não apenas os usuários e educadores sociais do IASC vinculados a Diretoria de Média Complexidade.

No encerramento da colônia de férias os servidores do IASC foram convidados a participar de uma sessão de cinema no MAMAM. Todos os convidados tiveram a oportunidade de votar para definir o filme que seria assistido. Entre quatro sugestões, o filme escolhido foi o Quarta B, do diretor Marcelo Galvão, que traz discussões sobre droga, preconceito e relações sociais. Além de proporcionar um momento para que os servidores possam relaxar e se conhecer melhor, as sessões de cinema, que serão realizadas sistematicamente, tem como objetivo promover o debate de assuntos relacionados ao universo da assistência social.

O Projeto Arte Para Todos continuará em fevereiro, mas com nova programação.

 

Cine MAMAM recebe usuários e educadores sociais do IASC

Em clima de férias, o MAMAM ofereceu uma sessão de cinema para os usuários e educadores sociais do IASC na segunda semana de janeiro de 2012. Os participantes foram convidados a assistir Kiriku, uma animação franco-belga, dirigida por Miguel Ocelot. O longa retrata uma lenda africana, no qual Kiriku, um menino de estatura muito baixa, inteligente e com grande habilidade para correr, nadar e falar, tem a iniciativa de libertar sua aldeia dos poderes de uma feiticeira.

Participaram da sessão as crianças, adolescentes e educadores sociais do Espaço Travessia/Bairro do Recife e do CICA, unidades pertencentes ao Instituto de Assistência Social e Cidadania da Prefeitura do Recife – IASC.

A exibição do vídeo faz parte da programação de colônia de férias do Projeto Arte Para Todos, uma parceira entre as duas instituições que vem ocorrendo de maneira mais sistemática desde o segundo semestre de 2011.

Exposição das crianças do IASC – Dezembro 2011

Segue o registro da última etapa do projeto Arte Para Todos em 2011 – a exposição dos trabalhos das crianças realizados ao longo do ano passado no Mamam.

Abaixo segue um texto redigido pela educadora social do IASC Rebeka Monita, que é também coordenadora do projeto no museu.

A.M.O.R. Deverá ser bem clichê esse texto que inicio, mas no momento não consigo perceber de outra forma as forças usadas para a execução do Projeto Arte para Todos e especialmente para seu último evento de 2011: a exposição, no MAMAM, das atividades dos usuários das três unidades de fixação do IASC.

Tentarei mudar o tom.

No dia 16.12.11 o MAMAM expôs nos seus principais salões os trabalhos dos pequenos artistas participantes do Projeto Arte Para Todos. As obras foram expostas entre os trabalhos do 47º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, que permanecerá no museu até fevereiro.

Para a realização do evento a equipe diretamente envolvida praticou algumas das teorias usadas ao longo da universidade: uso da linguagem humanista, busca pela interação social, educação libertadora, autoconfiança. E outras não tão usadas pelos acadêmicos de plantão, ou pelo menos, não usadas escancaradamente: choro, desespero, histeria… surdez proposital aguda e às vezes fuga. Porém, todos esses ingredientes foram misturados a uma massa principal: a massa do amor.

 Ops! Isso não é uma receita, nem muito menos a propaganda de um pó estranhíssimo que usamos para enganar nossos olhos e nosso paladar na hora da degustação. Mas, continuemos!

Também não queremos aqui enfatizar, já enfatizando, o amor das educadoras: Karla, Uana, Rebeka, Thayse, Juliana, Raíssa; de Rafael, Gerente de Formação do IASC, e dos educadores Bruno e Jaqueline também (que nos enviaram energias positivas). Mas, destacar a importância do amor dos participantes do evento (crianças e adolescentes, gestores, técnicos e educadores sociais do IASC), nos quais sem a presença e o amor deles o evento não teria se concretizado. O amor que falo veio na disponibilidade em participar, mostrou-se nos sorrisos, nos abraços, nas caminhadas pelos espaços expositivos do MAMAM, na resistência (resistir também é um ato de amor), nas mãozinhas na massa que foram colocadas naquele momento pelos adultos presentes. Houve quem fotografasse, houve quem coordenasse brincadeiras, teve também gente preparando os lanches. Mas, o show foi das crianças e para as crianças.

Parabéns a todas as crianças envolvidas direta ou indiretamente no Projeto Arte para  Todos!

Arte Para Todos – Colagem e Auto-expressão

Nos dias 08 e 09 de Novembro de 2011, dando continuidade ao projeto Arte para Todos, o MAMAM recebeu trinta e seis crianças e adolescentes dos espaços de fixação do Instituto de Assistência Social e Cidadania da Prefeitura do Recife –IASC. Esses espaços fazem parte da Rede de Proteção Especial de Média Complexidade do Instituto, que conta com três equipamentos voltados para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, mas com vínculos familiar e escolar preservados.

Nesta segunda semana de novembro o MAMAM atendeu os usuários do Recanto Feliz, espaço localizado na comunidade do Coque, que atende residentes da RPA-1 e os usuários do Centro Integrado de Crianças e Adolescentes – CICA, que fica no Cordeiro e atende as comunidades localizadas na RPA-4.

As atividades, voltadas para o desenvolvimento da auto-expressão, foram divididas em três etapas e contou com a participação de oito educadores sociais do IASC e quatro educadores do MAMAM que se revezaram em dois turnos. No primeiro momento, os usuários do IASC participaram de um relaxamento, um trabalho de sensibilização do corpo que faz parte da rotina dos participantes do projeto. Em seguida todos tiveram a oportunidade de criar uma história a partir da frase, que lhes foi apresentada durante a atividade: “Quando acordou o dinossauro ainda estava lá”, do escritor mexicano Augusto Monterroso. A proposta do Educativo MAMAM era incitar a imaginação dos participantes. A terceira etapa foi a de produção. Os usuários e educadores sociais, a partir da frase apresentada e seus desdobramentos, criaram desenhos com o uso de revistas, cola e tesoura.

Os usuários do espaço CICA que participaram da atividade no MAMAM no dia 08/11, no turno da tarde, tiveram ainda um contato com o artista Daniel Santiago. O artista, presente na concentração para sua ação poética intitulada Palma na Rua da Palma que seria realizada no mesmo dia, foi o propositor da mostra Eflúvios Artificiais de Mulheres Abstratas (no MAMAM desde 14/09/11), conhecida por todos os participantes do projeto Arte para Todos.

Em Dezembro serão expostas no MAMAM os trabalhos das crianças, adolescentes, educadores sociais e educadores do museu produzidos durante as atividades do projeto Arte para Todos, encerrando o primeiro módulo dessa parceria entre o IASC e o MAMAM.